Rua Gomes de Carvalho, 1356 - 2º andar, E.58
Vila Olímpia – São Paulo – SP | CEP: 04547-00​5
Fone: +55 11 3995-5210​

O Dia: Eleições no Brasil e pós-verdades

 

                                                         

 

Claramente há inúmeras visões, cada uma delas de caráter particular, porém é preciso ter cautela para não se tomar uma decisão baseada em premissas da pós-verdade. É neste cenário que se insere o profissional de relações governamentais.

 

Rio – A história mundial recente tem provado a dificuldade em prever o resultado de eleições, mesmo por especialistas consagrados. De cientistas políticos a economistas com anos de carreira, passando por jornalistas habituados com reviravoltas políticas, poucos são os que conseguiram pressupor a vitória de Trump nas eleições presidenciais americanas, ou a vitória da saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), ambos resultados de votação popular em 2016.

Muitos atribuem tais vitórias ao fenômeno da pós-verdade, definida pelo dicionário de Oxford como aquilo em que fatos objetivos são menos influentes para a opinião pública do que o apelo à emoção e à crença pessoal. Em outras palavras, um momento em que apelos às emoções falam mais alto do que dados estatísticos.

 

Esse fenômeno também pode ser observado em suas vertentes tupiniquins no atual estágio da corrida presidencial, para o mandato de 2019 a 2022. Atentos para a responsabilidade das mídias sociais nos últimos grandes acontecimentos políticos, grandes empresas fazem parceria com agências de checagens de fatos e aumentam o controle sobre aquilo que se convencionou chamar de “fake news”, conhecidas como notícias falsas.

Há o risco potencial de se influenciar o eleitorado a partir de premissas falsas ou, no mínimo, de caráter questionável. Tal cenário possui uma tendência a ser agravado no Brasil, devido à taxa nacional de baixa de educação formal, o que pode vir a dificultar uma compreensão sobre questões geopolíticas e econômicas que marcam eleições a nível nacional.

Não por coincidência, tramita no Congresso Nacional projeto para regulamentar a atividade de “lobbying”, que no primeiro semestre deste ano foi reconhecido como profissão pelo Poder Executivo Federal, em sua vertente mais ampla. Entre a gama de atribuições desses profissionais, encontram-se a de realizar uma espécie de conexão entre os diversos setores envolvidos, com a finalidade de realizar uma leitura do cenário sócio-político-econômico para fornecer informações e obter medidas específicas na defesa de interesses legítimos., sempre respeitando os princípios de legitimidade, legalidade, transparência e boas práticas.

Durante o período conturbado de eleição, muitos setores da sociedade se voltam aos debates presidenciais para analisar qual seria o candidato que mais lhe parece benéfico para o futuro de seu país. Claramente há inúmeras visões, cada uma delas de caráter particular, porém é preciso ter cautela para não se tomar uma decisão baseada em premissas da pós-verdade. É neste cenário que se insere o profissional de relações governamentais.

Assim, caberá ao profissional de Relações Governamentais navegar por correntes enganosas da pós-verdade e saber discernir entre o que é fato e os frutos da mera emoção, de modo a não fornecer às empresas dados falaciosos. No mundo dos negócios, basear-se em dados equivocados pode significar perdas inestimáveis de oportunidades de investimentos, afinal, a leitura do cenário sócio-político-econômico é primordial.

Por outro lado, é inevitável que a pós-verdade tenha influência nas campanhas eleitorais de 2018, o que muitos podem entender que já está ocorrendo. Também é papel do profissional de relações governamentais procurar compreender quais serão seus efeitos, de que modo afetarão a economia brasileira e, mais ainda, se isso pode custar a eleição de um candidato ou outro.

O bom profissional de relações governamentais deverá, assim, levar em consideração os últimos eventos da história mundial para analisar o cenário nacional atual. Seja como for, ao somar o aprendizado das lições passadas com a cultura brasileira, em 2018 veremos o resultado da tropicália da pós-verdade.

 

Sobre a autora:

Eriça Tomimaru é advogada e diretora Jurídica do IRELGOV.

 

Artigo publicado no O Dia, Opinião. Confira aqui: Eleições no Brasil e pós-verdades

AGENDA
15
de janeiro de 2019
O IRELGOV estará em recesso no período de 17 de dezembro a 15 de janeiro de 2019, retomando as atividades a partir do dia 16 de janeiro.